Pleroma heteromalla
Reserva
Mãe-da-Lua

Espécie anterior Próxima espécie

Daldinia sp1

Ordem: Xylariales
Família: Hypoxylaceae
Daldinia sp1
12/04/2020. Reserva Mãe-da-Lua, Itapajé-CE.

Figura 1.

Encontrei esta estrutura, de cerca de 4cm de altura, na Caatinga da Reserva acima de um toco velho. Trata-se do corpo de frutificação de um ascomycete (fungus que pertence ao taxon Ascomycota), provavelmente do gênero Daldinia.

As espécies de Daldinia são conhecidas por ocorrer em árvores parcialmente queimadas. Isso poderia também ser o caso do indivíduo da foto. Eu não lembro dos detalhes, mas o toco parece preto, talvez queimado.

Stadler et al. 2014 revisaram as espécies de Daldinia, inclusive aquelas que ocorrem no Brasil; sua fig. 36G (p. 66) mostra um indivíduo de D. clavata, cujo macromorfologia é muito parecida com a foto acima. Contudo, não é possível identificar a espécie sómente com base nisso. Por enquanto, o epíteto continua indeterminado.

Início da página

Daldinia sp1
12/04/2020. Reserva Mãe-da-Lua, Itapajé-CE.

Figura 2.

Cortes através do stroma do fungus mostram uma organização em aneis semi-concêntricos (veja também a figura 3). Este padrão caracteriza muitas espécies do gênero e deu o nome à sua espécie tipo: Daldinia concentrica. Os aneis correspondem a mudanças na orientação das hifas, que são os elementos básicos do fungus. As hifas são cortadas longitudinalmente ou transversalmente, e isso resulta na alternância de zonas escuras e claras (Khalil et al. 2015).

Não é claro se esta alternância de zonas é relacionada à formação do ascocarpo em fases sucessivas, mas não se trata de marcos anuais, já que o ascocarpo se forma e se desintegra a cada ano (Stadler et al. 2013, p. 6).

"The conspicuous concentric zonation occurring in stromata of species of Daldinia, ..is shown to result from a regular alternation of the orientation of the hyphae. The rings are all produced within a single growing season." (Khalil et al. 2015).

Início da página

Daldinia sp1
12/04/2020. Reserva Mãe-da-Lua, Itapajé-CE.

Figura 3.

Início da página